DEFESA DOS ANIMAIS

DEFESA DOS ANIMAIS
As melhores reportagens sobre defesa dos animais

FELINOS

FELINOS
Conheça as melhores histórias sobre os felinos

ENTREVISTAS

ENTREVISTAS
Conheça o trabalho de pessoas que amam os animais

CÃES

CÃES
Incríveis histórias com os cães

O MÚSICO QUE TOCA COM AS BALEIAS

04/01/2011


São muitos os fascínios despertados pelas baleias. Seu tamanho, sua força, sua paz, seu sentido de orientação e mesmo uma áurea de mistério que as envolve. Entretanto, algo que sempre chamou a atenção de todos os admiradores de baleias é seu som. Uma comunicação em forma de canto que se prolonga por muito tempo e que pode chegar a grandes distâncias.

Há muitos estudos sobre o tema. Mas aqui apresentamos algo fascinante e inovador. Alguém que se propôs a tocar com as baleias, formando uma espécie de orquestra. Os resultados foram surpreendentes. O tema é tão fascinante que virou CD e livro e seu autor, David Rothenberg, celebridade entre os pesquisadores e todas as pessoas que de uma forma ou de outra amam a natureza e às baleias em especial. Em contato com Rothenberg, ele nos permitiu a divulgação de seu relato sobre o tema que saiu originalmente no Animal Planet com o título de Playing music with whales. Assim eis aqui como ele descreve a maravilhosa sensação de tocar com as baleias:
"Qual é a sensação de tocar música com uma baleia? Eu tenho feito essa pergunta várias vezes em entrevistas em todo o mundo, e eu não sei como responder, Escondo-me numa defesa cautelosa. "Claro que eu não sei o que a baleia está sentindo, assim como eu posso saber o que sinto..." Eu suspeito de pessoas que alegam ter uma ligação profunda com as baleias no momento em que olham para os olhos do animal gigante, sente-se seu canto profundo ecoar as ondas sonoras no fundo do mar. "Eu sabia", dizem eles, "o animal tinha algo profundamente importante para me dizer", e suspiro com reverência.
Quando eu estou tocando com baleias eu nunca tenho certeza de nada, sendo tão envolvido na música e tentando tocar em um meio caminho original entre humanos e cetáceos. Primeiro de tudo é um processo estranho e tecnológico. Eu estou tocando o meu clarinete a bordo de um barco em um microfone que é ligado a um alto-falante subaquático. Assim as notas que eu toco estão sendo transmitidas para o mundo do som das baleias. Então eu estou usando fones de ouvido que acompanham a um microfone debaixo d'água, chamado de hidrofones, que está ouvindo ao vivo para o som ambiente subaquático, que inclui a baleia cantando e meu clarinete no borbulhante fundo do mar.
É como uma espécie de estúdio de gravação, onde cada músico isolado em uma cabine individual, com exceção de um estande é todo o oceano com uma baleia de quarenta pés lá, cantando a música que ele precisa saber. (Ou seja, supondo que as jubartes macho está cantando para atrair as fêmeas, que é o que os cientistas tendem a acreditar. No entanto, nenhum ser humano jamais viu uma baleia fêmea mostrar nenhum interesse nessa música! Mas isso é outra história, você pode conferir no meu livro. Saiba mais sobre isso...).

Por que tentar tal parceria? Para fazer música que pode ser feito de outra forma. Como um músico de jazz Eu sei como é bom tocar com um músico que não pode falar a minha língua, mas pode perceber o sentido das minhas músicas quando eu toco junto com a elas. É espantoso perceber que isso também pode ser trabalhado com outras espécies, desde pássaros, insetos. Mesmo com as baleias jubarte, o animal com a mais longa música, mais comovente do mundo natural, um som que pode ser ouvido a partir de submarinos a dez milhas de distância, uma música com melodias claras, frases, ritmos e as peças que leva a baleia 20 minutos para cantar antes de começar o ciclo novamente, em performances que podem durar até 23 horas.
Tocando junto com uma baleia, usando fones de ouvido e ouvir as reverberações estranhas do som subaquático e ser incapaz de dizer de onde todo o som está vindo - porque não há nenhuma sensação de espaço estéreo - é um tipo de experiência fora-do-corpo, empurrando o som de um clarinete humano em um mundo onde ele realmente não pertence, porque não há como um clarinete ser fundido debaixo d'água. O uso é uma canção de baleias no nosso mundo humano? Ela nos lembra que não somos os únicos músicos na Terra, e que se quisermos entender o mundo natural, além da nossa estreita percepção humana, temos que ouvir e apreciar toda a gama de músicas que foram dos animais neste planeta há milhões de anos antes dos seres humanos chegarem aqui. É uma sensação muito humilhante.

Então eu não toco com as baleias para me fazer sentir especial, mas fazer a música que é especial. Metade homem e metade baleia? Talvez ninguém vá gostar!
Talvez não no início. Na maioria das vezes as baleias não estão interessadas. Mas de vez em quando, quando o mar está calmo e uma grande baleia está sob o barco, tão perto que seus gemidos podem ser sentidos a direita através do casco, às vezes ela muda de música quando ela ouve o que eu toco. Nesses momentos eu sinto um verdadeiro sentimento de temor, que a música é algo realmente grande, maior que a nossa espécie inteira, algo escrito à direita para o sentido da vida, cuja beleza está muito além de nossa capacidade de explicar, ou mesmo sentir o seu efeito. Tocando um pedaço da melodia do universo, ela não é mais só minha, mas algo que me faz sentir privilegiado por ser uma pequena parte".

Sobre o Autor: David Rothenberg

O filósofo e músico David Rothenberg é o autor de Why Birds Sing (Basic Books, 2005), publicado também na Itália, Espanha, Taiwan, China, Coréia e Alemanha. Seu extenso documentário recurso porque os pássaros cantam foi exibido na BBC4 em junho de 2007. Rothenberg é também o autor de Sudden Música: improvisação, arte, natureza (Geórgia, 2002), Cliff Blue Record: Echoes Zen (Codhill Press, 2001), Hand’s End: Tecnologia e os limites da natureza (Califórnia, 1993), e sempre Montanhas (Geórgia, 2003).

Ele era o editor da revista MIT Press Terra Nova: Natureza e Cultura, e editado vários livros baseados em Terra Nova do jornal, inclusive o livro de Música e Natureza (Wesleyan, 2001) e de escrita do mundo: sobre a globalização (MIT, , 2005). Seus artigos têm aparecido em Parábola, Orion, The Nation, a revista Wired, habitação, Kyoto Journal, The Globe and Mail, Serra e do New York Times.

Rothenberg é também um clarinetista e compositor de jazz, e tem seis CDs sob seu próprio nome. Seu segundo disco, On the Cliffs of the Heart, com o percussionista Glen Velez e banjo player Graeme Boone, que foi nomeado um dos dez melhores lançamentos de 1995 pela revista Jazziz. Em 2000, antes de liberado da guerra, teve uma colaboração com o som natural do artista Douglas Quin. O Guardian, na Inglaterra elogiou-o como "uma verdadeira música do século 21". Rothenberg é professor de filosofia e música no New Jersey Institute of Technology. Leonardo Bezerra
Links



0 comentários:

Faça parte do Jornal Defesa dos Animais

Ajude-nos a melhorar ainda mais preenchendo este formulário

Entrevistas

Os animais são inocentes

Frases do dia

Ocioso

Conheça nossa página de vídeos

Resumo da Declaração Universal dos Direitos dos Animais

A Declaração Universal dos Direitos dos Animais da ONU

01 - Todos os animais têm o mesmo direito à vida.

02 - Todos os animais têm direito ao respeito e à proteção do homem.

03 - Nenhum animal deve ser maltratado.

04 - Todos os animais selvagens têm o direito de viver livres no seu habitat.

05 - O animal que o homem escolher para companheiro não deve ser nunca ser abandonado.

06 - Nenhum animal deve ser usado em experiências que lhe causem dor.

07 - Todo ato que põe em risco a vida de um animal é um crime contra a vida.

08 - A poluição e a destruição do meio ambiente são considerados crimes contra o animais.

09 - Os diretos dos animais devem ser defendidos por lei.

10 - O homem deve ser educado desde a infância para observar, respeitar e compreender