Boa notícia

Boa notícia
aumenta a população do tigre siberiano. Link aqui

Pura emoção

Pura emoção
Cãozinho acompanha seu dono até o final. Link aqui

Haja fidelidade!

Haja fidelidade!
Cão viajou 800 km para ver o seu dono. Link aqui

Ouça a RDA, você vai amar!

Ouça a RDA, você vai amar!
Mata Ciliar acolhe filhotes vítimas de maus tratos. Link para o site oficial da RDA

BRIGAS DE GALOS, CRUELDADE CONTRA ANIMAIS DISFARÇADA EM DIVERTIMENTO

27/08/11

Brigas de galos é um divertimento tão violento e sangrento quanto touradas. A diferença é que podem ser realizadas em locais internos e muito bem escondidos o que torna praticamente impossível de ser extirpada da sociedade. É na verdade, um dos meios mais violentos aos quais são expostos os animais. Na maioria das vezes os galos lutam até a morte e os que escapam, saem extremamente feridos.

A briga de galos é antiga. Há ilustrações que indicam que há 2.500 já existiam na China. Na Roma antiga, onde a crueldade contra animais e humanos rolava solta, não podia faltar e eram exibidas nos circos e coliseus para deleite de uma turba sanguinária. Outros países como Índia, Paquistão e Egito também eram adeptos dessas lutas na antiguidade.

Com a conquista do continente europeu pelos romanos, a prática se espalhou indo parar na Espanha de onde foi levada para a América Latina pelos colonizadores. No caso do Brasil, chegou através de Portugal e por aqui permanece até hoje.

Na Espanha as brigas não são permitidas, mas há exceções, como Ilhas Canárias e na Andaluzia. Assim como nos Estados Unidos, que são permitidas em alguns estados. No Brasil é proibida por lei, mas é o mesmo que nada, pois é muito fácil de ser camuflada, além disso, a Lei só age se alguém denunciar, o que nunca acontece. Ninguém quer se meter com a vida dos outros, muito menos por um galo. Esse é o pensamento da maioria das pessoas.

Aqueles que defendem essas brigas se apóiam dizendo que a morte de um galo é mais digna que o sacrifício de milhares de frangos nas fazendas e com permissão das autoridades. Um belo argumento, mas que não tem nenhum valor para os defensores dos animais.

No Brasil já teve até deputado que deu entrada em PL a favor de brigas de galo. Foi o deputado Fernando de Fabinho (PFL-BA) com a PL 4340/04 que estabelecia não constituir crime a realização de competições entre animais. Por sorte não deu em nada, mas os defensores devem ficar sempre atentos.

Paraíso das brigas de galos

O grande paraíso dessas brigas é Porto Rico, onde é considerado um esporte nacional. Outros países como Colômbia, Venezuela, Nicarágua, República Dominicana e Peru são tidos como locais de criação de galos especialmente preparados para brigas.

O Equador é outro país dos mais adeptos às brigas e onde é praticamente impossível de ser erradicas já que entre 60 mil e 100 mil famílias vivem diretamente dos recursos geridos por essa atividade. No país há também quase dois milhões de seguidores e conta com mais 1.500 criadores. Com todo esse poderio, os governos não se atrevem a tentar modificar a situação, pois certamente perderiam votos e muitos inimigos, o que não convém para quem quer se manter no governo.

Mesmo diante de tal poderio, o governo equatoriano anunciou uma consulta popular onde inclui a proposta de eliminar os espetáculos em que os animais são mortos. Ou seja, os animais brigariam até um certo ponto, quando um deles fosse considerado vencedor, sem precisar matar o outro, algo como uma luta de boxe. Apesar de tudo, a Corte Constitucional modificou o texto proibindo espetáculos que tenham como finalidade a morte do animal. Isto afetou as touradas, mas não as brigas de galos.

A desculpa é que nas brigas quase sempre os galos morrem, mas não é esse o objetivo. E assim vão levando a vida incluindo em suas tradições essas crueldades.

As pessoas às vezes querem falar contra brigas de galos, por considerá-las extremamente cruéis e sem sentido. Mas a maioria come carne, inclusive de frango, galinha, galo e tudo o mais que aparecer pela frente, assim, prefere silenciar diante de sua consciência, pois como alguém pode defender a vida de uns enquanto como outros?

Para sorte dos galos e azar dos praticantes das brigas, há um pequeno grupo no mundo todo, que a cada dia cresce, são os vegetarianos e veganos, que podem criticar a vontade sem o menor receio de estar cometendo algum tipo de hipocrisia.

Para os não vegetarianos, cabe sim criticar, denunciar e fazer de tudo para acabar com essas brigas. Não baseados na consciência, mas sim baseados na Lei e na ética, pois quando se denuncia essas atividades, se está praticando um ato de cidadania, que é o de fazer cumprir a Lei e ao mesmo tempo a ética no sentido da defesa dos animais. Leonardo Bezerra

0 comentários:

Nossos objetivos

Seja bem vindo! (a) Faça parte do Jornal Defesa dos Animais

Ajude-nos a melhorar ainda mais preenchendo este formulário

Entrevistas

Os animais são inocentes

Frases do dia

Conheça nossa página de vídeos

Resumo da Declaração Universal dos Direitos dos Animais

A Declaração Universal dos Direitos dos Animais da ONU

01 - Todos os animais têm o mesmo direito à vida.

02 - Todos os animais têm direito ao respeito e à proteção do homem.

03 - Nenhum animal deve ser maltratado.

04 - Todos os animais selvagens têm o direito de viver livres no seu habitat.

05 - O animal que o homem escolher para companheiro não deve ser nunca ser abandonado.

06 - Nenhum animal deve ser usado em experiências que lhe causem dor.

07 - Todo ato que põe em risco a vida de um animal é um crime contra a vida.

08 - A poluição e a destruição do meio ambiente são considerados crimes contra o animais.

09 - Os diretos dos animais devem ser defendidos por lei.

10 - O homem deve ser educado desde a infância para observar, respeitar e compreender

Material Editado

A maioria do conteúdo dos artigos são de nossa autoria baseados em fontes, entrevistas ou contatos sempre mencionados no final das matérias.

Os materiais de terceiros aqui editados são somente daquelas fontes que autorizam e seguindo o que as mesmas determinam.

Imagens usadas são de bancos de imagens livres ou de fontes que autorizam. Materiais de nossa autoria e de nossos colaboradores podem ser usados livremente por meios em defesa dos animais ou noticiosos sempre mencionando a fonte e autor.

Esta obra está sob uma licença Commons

Creative Commons License
Jornal Defesa dos Animais by Leonardo Bezerra is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil License.
Based on a work at jornalanimais.blogspot.com.
Permissions beyond the scope of this license may be available at http://jornalanimais.blogspot.com.